O Jornal da Saúde é um site de portal de notícias online com o objetivo de trazer assuntos relacionados sobre saúde e bem estar.

Segundo a OMS, o câncer progride de forma alarmante

Entre os homens, o câncer de pulmão é o mais diagnosticado e é a principal causa de morte por câncer, com cerca de um em cada cinco casos.

Segundo a OMS, o câncer progride de forma alarmante
5 (100%) 1 voto Gostou Do Artigo?Deixe Seu Voto

Um homem em 5 e uma mulher em 6 no mundo desenvolverá câncer durante a sua vida, enquanto um em cada 8 homens e uma em 11 mulheres morrerão desta doença, de acordo com dados apresentados pelo estudo.

O câncer continua a progredir de maneira “alarmante” no mundo, com 18,1 milhões de novos casos e 9,6 milhões de óbitos estimados em 2018, segundo dados publicados pelo Centro Internacional para Pesquisa do Câncer (IARC), por sua acrônimos em inglês), que depende da OMS.

Em comparação, em 2012, quando os cânceres cutâneos, exceto o melanoma, não foram levados em consideração, foram detectados 14 milhões de novos casos (17 milhões em 2018, se esses tipos também forem excluídos).

O câncer de pulmão é de longe o mais mortífero, com 1,8 milhão de mortes planejadas neste ano no mundo (18,4% do total), à frente do câncer colorretal (881 mil mortes, 9,2% do total) , de estômago (783 mil) e de fígado (782 mil), segundo dados estabelecidos para 36 tipos de câncer em 185 países.

Reforçar a prevenção

“Estes novos números mostram que ainda há muito a ser feito para responder ao aumento alarmante da carga global de câncer e que a prevenção deve desempenhar um papel fundamental”, disse o Dr. Christopher Wild, diretor da IARC.

“É urgente implementar políticas eficazes de prevenção e detecção precoce para completar os tratamentos”, acrescentou ele em um comunicado.

Quase metade dos novos casos e mais da metade das mortes por câncer no mundo até 2018 ocorrerão na Ásia, principalmente na China, em parte porque essa região concentra quase 60% da população mundial.

43,8 milhões de pessoas vivem com câncer no mundo, diagnosticadas há mais de cinco anos, segundo a agência especializada da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.