O Jornal da Saúde é um site de portal de notícias online com o objetivo de trazer assuntos relacionados sobre saúde e bem estar.

Medicamento para enjoo pode criar sinais de crise de ansiedade

O remédio pode acabar enganando o médio no momento do exame.

Medicamento para enjoo pode criar sinais de crise de ansiedade
5 (100%) 1 voto Gostou Do Artigo?Deixe Seu Voto

Cerca de cinco por cento da população acaba em algum momento da vida passando por uma reação extrapiramidal, que é um quadro de movimentos involuntários nos olhos, língua, algo muito parecido com crise de pânico, que causa rigidez nos músculos, além de dificuldade para falar e andar.

Contudo, pessoas passam por uma reação adversa causada por remédios contra o enjoo. As principais vítimas são pessoas que tomam antipsicóticos, como o haloperidol, mas os efeitos podem aparecer em menor escala com drogas para combater náuseas, como o plasil ou digesan,

Estes efeitos passam assim que a substância tem o seu efeito concluído no organismo, porém, muita gente acaba demorando demais para associar o problema aos remédios.

Caso com medicamento assustou mãe de paciente

Cerca de dois meses atrás, a escritora Vanessa Barone estava com sua filha Helena no hospital, a jovem de 14 anos estava se recuperando após uma cirurgia de apendicite.

Acontece que ela apresentou uma reação ruim após sua primeira refeição sólida. A menina foi medicada com metoclopramida e bromoprida, no Hospital São Luiz, que fica localizado em São Paulo.

E foi então que ela começou a ter a reação, segundo a mãe ela tinha os olhos virados para cima, pescoço duro e sem conseguir falar.

Segundo a mãe da paciente, os médicos lhe informaram que poderia ser uma crise de ansiedade, mas que poderia ser uma reação ao Plasil.

Ela foi medicada com o clorpromazina, um antipsicótico que a ajudaria a relaxar e ter menos sintomas da reação.

Sedativo, ele causa reação extrapiramidal em alguns pacientes ou seja, depois que ela dormiu o dia todo, a garota piorou o quadro.

O hospital enviou uma psicóloga para conversar com ela, que ainda não conseguia falar. Porém, ao conversar com uma psiquiatra, soube que aquele medicamento antipsicótico poderia potencializar os efeitos do remédio contra o enjoo.

A partir daí, a equipe foi notificada a não utilizar qualquer medicamento que provocasse aquela reação. A jovem melhorou e logo teve alta.

O hospital informou que alguns medicamentos acabam provocando efeitos colaterais como a extrapiramidal e não podem ser identificados com antecedência.

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.