O Jornal da Saúde é um site de portal de notícias online com o objetivo de trazer assuntos relacionados sobre saúde e bem estar.

Fenitoína: para que serve, como tomar e efeitos colaterais

Os principais efeitos colaterais causados pelo uso da Fenitoína são mais sentidos em pacientes idosos e debilitados.

Fenitoína: para que serve, como tomar e efeitos colaterais
5 (100%) 1 voto Gostou Do Artigo?Deixe Seu Voto

A Fenitoína é um medicamento usado no tratamento de convulsão, epilepsia e nevralgia do trigêmeo, podendo ser encontrada em formato de comprimido, suspensão oral ou injetável.

Este fármaco só pode ser comprado em farmácias com prescrição médica e pode ser encontrado no mercado com o nome de Epelin ou Unifenitoin.

Ela serve para as crises convulsivas por traumatismo cranioencefálico, secundárias e neurocirurgia. Desde sua introdução até o momento numerosos aspectos de sua atividade terapêutica e tolerância pelo organismo têm sido estudados.

Em decorrência disso, estabeleceram-se normas para sua administração, vigilância do aparecimento de efeitos secundários e indicações em algumas afecções não relacionadas com a epilepsia.

Modo de usar fenitoína

O uso da Fenitoína por via oral pode ser como comprimido mastigável, de liberação prolongada ou suspensão (líquido). A dose prescrita deve ser ajustada a cada semana até reduzir a zero os casos de convulsão.

Geralmente a dose é de um a quatro por dia. Ela também pode ser apresentada como ácido ou sal sódico. Seu efeito máximo demora de 1,5 a 6 horas.

Por via intravenosa a dose inicial é de 15 a 20mg/Kg (metade em maiores de 1 e menores de 12 anos), com o máximo de 30mg/Kg. O medicamento não deve ser administrado por via intramuscular, pois aumenta os efeitos colaterais e diminui a eficácia terapêutica.

O remédio pode ser usado por grávidas, pois as convulsões são piores para a mãe e o bebê do que os efeitos adversos.

Efeitos Colaterais

Os principais efeitos colaterais causados pelo uso da Fenitoína são mais sentidos em pacientes idosos e debilitados. Dentre os sintomas, temos: Insônia, dificuldade para dormir, pensamento e fala lentos ou confusos, náusea, vômitos, constipação, inchaço na fase e lábios, dor de cabeça, nistagmo, que são movimentos erráticos dos músculos do olho, hirsutismo, que é o aumento na quantidade de pelos, ataxia, que é a descoordenação de movimentos, anemia e dor no pênis.

O uso do medicamento interfere, também, na via de produção da 25-hidroxivitamina D (Vitamina D) pelo fígado. Além disso, reações alérgicas são raras, assim como amolecimento dos ossos, problemas linfáticos e cardiovasculares.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.