O Jornal da Saúde é um site de portal de notícias online com o objetivo de trazer assuntos relacionados sobre saúde e bem estar.

Febre amarela: vacina ganha novas orientações

Confira aqui as novas determinações para quem vai tomar a vacina contra a febre amarela.

Febre amarela: vacina ganha novas orientações
5 (100%) 1 voto Gostou Do Artigo?Deixe Seu Voto

Mais importante que se vacinar, é ter a garantia de que a vacinação está sendo feita com segurança. Um ponto a ser verificado é a importância da prevenção da febre amarela e as orientações aos pacientes.

Foi publicada uma nota por meio de quatro entidades médicas, esta é um informativo técnico que serve para esclarecer alguns pontos sobre a vacinação contra a febre amarela, problema de saúde pública que o Brasil vem enfrentando.

O documento é assinado pela Sociedade Brasileira de Imunizações, além da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Sociedade Brasileira de Infectologia e Sociedade Brasileira de Pediatria.

Na nota, é incluso um protocolo sem precedentes para orientar os médicos que atuam na triagem sobre as pessoas que podem ou não ser vacinadas.

Trechos importantes do novo protocolo da vacina contra febre amarela

A vacina contra a Febre Amarela é recomendada como rotina para pessoas a partir dos nove meses de vida que vivem ou se deslocam para as áreas com recomendação para a vacina.

Pessoas com doenças crônicas em imunossupressão precisam ser vacinadas na rotina.

Menores de dois anos de idade não podem receber a vacina contra a febre amarela na mesma época da vacina tríplice viral, que impede o sarambo, rubéola e caxumba, nem em conjunto com a tetraviral, que também impede a varicela.

Deve ser respeitado um intervalo de 30 dias, exceto em períodos especiais que impossibilitem o intervalo, o mínimo de 15 dias.

Após os dois anos de idade, não existe restrições, podendo ser aplicadas simultaneamente.

Pessoas com doenças imunossupressoras ou em tratamento com medicamentos imunossupressores devem ser avaliados, antes da aplicação, assim como as gestantes, maiores de 60 anos, mães que amamentam menores de seis meses de idade.

O médico deverá avaliar pessoas que vivem com HIV/Aids, pessoas portadoras de lúpus, artrite e doença de Addison.

Menores de seis meses de idade, pacientes que possuem hipersensibilidade a algum componente da vacina, pessoas que usam medicamentos biológicos e imunossupressores não podem tomar a vacina.

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.