O Jornal da Saúde é um site de portal de notícias online com o objetivo de trazer assuntos relacionados sobre saúde e bem estar.

Cientistas fazem testes com analgésico mais potente que morfina que não vicia

Os testes estão sendo feitos em macacos.

Um problema sério para a saúde pública é o vício em analgésico. Este tipo de vício se tornou bem comum entre várias pessoas.

A droga vem sendo usada para dormir, para esquecimento de problemas e redução de dores de forma desnecessária.

E nesta semana, cientistas dos Estados Unidos divulgaram informações sobre um novo composto químico.

Ainda em fase experimental e sendo testado em animais, o medicamento pode ser uma esperança para quem precisa fazer a utilização deste tipo de medicação. Os resultados foram publicados em um periódico importante para a medicina nos Estados Unidos.

O nome do princípio ativo é AT-121 e vem sendo mais poderoso que a morfina para aliviar a dor. Um ponto positivo é que ele não produz efeitos colaterais perigosos além de não ser viciante.

De acordo com o farmacologista Mei-Chuan Ko, que é um dos autores do estudo, a AT-121 é segura e não é viciante, tendo como grande destaque ser uma grande combatente de dores fortes.

Novo analgésico promete ajudar pacientes

Este composto, de acordo com o farmacologista, é eficaz para o bloqueio de um potencial abuso de opioides prescritos.

Este medicamento atua da mesma forma que a buprenorfina atua contra a heroína. “Por isso esperamos que ela possa ser utilizada para tratar dor e abuso de opiáceos”.

Este composto foi desenvolvido durante a tentativa dos pesquisadores encontrarem uma molécula para atuar sobre receptores-chave no cérebro: o receptor opioide mu, que os opioides convencionais e analgésicos prescritos, e o receptor da nociceptina, que regula várias atividades cerebrais, incluindo sentimentos de dependência e dependência química.

Os resultados até o momento são positivos: os feitos em macacos mostrou proporcionar alívio de dor equivalente à morfina com uma dosagem cem vezes menor.

Outro lado positivo é que isso foi feito de maneira não viciosa, reduzindo o nível de dependência nos macacos que estavam viciados em oxicodona opioide.

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.