O Jornal da Saúde é um site de portal de notícias online com o objetivo de trazer assuntos relacionados sobre saúde e bem estar.

Anisocoria: o que é, quais as causas, sintomas e tratamento

A anisocoria patológica já corresponde a uma condição provocada por diversas causas, necessitando de algum diagnóstico para saber o que a provocou.

Anisocoria é uma condição caracterizada pela diferença do tamanho das pupilas de um indivíduo.

As pupilas dos olhos (círculos pretos no centro do globo ocular) têm a função de controlar a entrada de luz em nossos olhos de modo que a imagem captada pela pupila é formada na retina.

De maneira genérica, as pupilas podem se dilatar ou se comprimir dependendo da quantidade de luz captada por elas.

Isto é, elas se contraem em uma iluminação mais forte, prevenindo o excesso de fótons nos olhos, e se expandem na presença de pouca iluminação para que a gente consiga adaptar os olhos à pouca luz e assim podemos enxergar melhor, mesmo sem tanta iluminação.

Porém, essa mudança de tamanho nas pupilas deve ocorrer na mesma proporção entre ambos os olhos para que elas fiquem de tamanhos iguais.

Quando isso não ocorre e as pupilas ficam em tamanhos diferentes, é o que chamamos de Anisocoria.

Tipos de anisocoria

Existem dois tipos de anisocoria, a anisocoria fisiológica, e a patológica:

  • Anisocoria Fisiológica

Esse tipo de anisocoria corresponde a diferenças insignificantes no tamanho das pupilas do indivíduo

  • Anisocoria patológica

A anisocoria patológica já corresponde a uma condição provocada por diversas causas, necessitando de algum diagnóstico para saber o que a provocou.

Algumas causas relacionadas à anisocoria patológica

A Anisocoria patológica pode estar relacionada a algumas causas graves que precisarão de um acompanhamento médico para o tratamento da condição.

Vejamos as principais causas:

  • Tumor cerebral
  • Meningite
  • Hemorragia intracraniana relacionada a um AVC (Acidente Vascular Cerebral)
  • Cirurgia nos olhos
  • Convulsões
  • Enxaquecas
  • Inflamações oculares (por exemplo, glaucoma agudo ou uveíte)
  • Uso de alguns medicamentos sistêmicos ou oculares

Geralmente, quando a condição corresponde a algumas destas causas, ela manifesta sintomas considerados mais graves, como cefaleias, rigidez no músculo do pescoço, confusões mentais, febre, desmaios, e até mesmo pode levar o paciente a óbito.

Diagnóstico da Anisocoria

Para obter um diagnóstico preciso, o médico irá examinar os olhos do paciente. As suspeitas das causas da Anisocoria dependerão de diversos fatores, tais como o histórico médico do paciente, e os sintomas relatados por ele.

Por isso, é fundamental que o paciente especifique detalhadamente todos os sintomas manifestados da doença, principalmente os já mencionados, para que o médico consigo prescrever um tratamento adequado.

Qual o tratamento da anisocoria?

Dependendo da causa da doença, o paciente terá que ser submetido a uma intervenção cirúrgica (em caso de tumor no cérebro). No caso em que o diagnóstico aponte por outras causas mais graves, talvez também seja possível que o paciente passe por alguma cirurgia, dependendo da causa.

Mas apesar disso, em casos menos severos, não será necessário um tratamento. Na maioria desses casos, por exemplo, trata-se de uma condição natural e ela não interfere diretamente na vida e na saúde do paciente.

Como prevenir que a condição se agrave

O paciente deve ficar atento a outros sintomas que não sejam apenas a diferença de tamanho das pupilas. No caso de manifestações mais graves, o médico deverá ser procurado antes que os sintomas se agravem.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.