O Jornal da Saúde é um site de portal de notícias online com o objetivo de trazer assuntos relacionados sobre saúde e bem estar.

Academia diminui danos da má alimentação

Treinos de força minimizam as consequências trazidas pela má alimentação.

Academia diminui danos da má alimentação
5 (100%) 1 voto Gostou Do Artigo?Deixe Seu Voto

Sem dúvidas a melhor alternativa para quem está com sobrepeso é a atividade aeróbica, correto? Não é bem dessa forma, segundo uma pesquisa recente publicada pela FAPESP – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, na “Life Sciences“.

A pesquisa realizada com camundongos indicou que a realização de atividades resistidas, como, por exemplo, a musculação e o treinamento funcional, também pode trazer benefícios cardiovasculares e metabólicas criadas a partir de uma restrição alimentar rica em gordura. Vale lembrar, porém, que a realização em intensidade moderada, como foi o caso da pesquisa, não impossibilita o ganho de peso.

Ao comparar os dois grupos de animais, os que eram sedentários tornaram-se mais predispostos à hipertensão. Já no grupo que realizou o treinamento de força isso não ocorreu, mesmo com a má alimentação.

Porém, é importante frisar que uma alimentação equilibrada tem resultados muito bons no organismo. Um outro estudo feito pela instituição comparou dois grupos de camundongos sedentários: um ganhou uma dieta padrão e o outro se alimentou de uma ração com taxa de gordura 4 vezes maior do que o convencional.

Ao decorrer de mais ou menos cinco semanas, o grupo alimentado com a dieta hiperlipídica mostrou um aumento da frequência cardíaca (30 bpm) e da pressão arterial média, que já estava entre 10 e 15 milímetros de mercúrio (mmHg) superior que a dos animais do outro grupo. Isso resultou em animais pré-hipertensos ou até mesmo hipertensos.

Outro dano aconteceu no chamado barorreflexo, um sistema de ajuste da pressão arterial presente no sistema nervoso central. No momento que a pressão arterial sobe, o barorreflexo é ligado e induz a vasodilatação nos vasos de resistência, diminuindo o ritmo cardíaco e fazendo uma série de alterações para fazer com que os níveis pressóricos normalizem. O problema é que, quando esse mecanismo está lesado, o ajuste da pressão arterial não ocorre da maneira eficaz.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.