O Jornal da Saúde é um site de portal de notícias online com o objetivo de trazer assuntos relacionados sobre saúde e bem estar.

300 milhões de pessoas carregam o vírus da hepatite B

Pessoas infectadas por hepatite B podem não saber que carregam a doença.

300 milhões de pessoas carregam o vírus da hepatite B
5 (100%) 1 voto Gostou Do Artigo?Deixe Seu Voto

Uma pesquisa divulgada realizado em 26 de março deste ano, pelos Observatório Polaris da Fundação Centro para Análise de Doenças, EUA, mostrou que o vírus da hepatite B (HBV) está presente no corpo de quase 300 milhões de pessoas.

Parte dessa população infectada, cerca de 90%, ainda não foi diagnosticada com a doença e segundo estudo de 2016, apenas 5% dessas pessoas devem estar sob tratamento.

Neste cenário, 1% das mulheres infectadas e grávidas são capazes de transmitir o vírus aos seus filhos, e são consideradas o meio principal para disseminação da doença no mundo.

Pesquisadores calculam que no Brasil esses índices são melhores que os do contexto global. Por aqui, conforme estudo de 2016, haveria um predomínio de 760 mil pessoas infectadas pelo vírus da hepatite B.

Dentro deste cenário, 212 mil (28%) tem consciência do diagnóstico positivo. Por outro lado, não houve registros de grávidas infectadas que tenham recebido medicamentos antivirais de controle da doença. No geral, os índices nacionais são um dos melhores quando comparado ao cenário mundial.

Importância da vacinação

Sem o tratamento adequado, o paciente com hepatite B pode ter diversos problemas de saúde o que pode causar uma estimativa de 600 mil mortes por ano no mundo.

Como o vírus é contagioso e pode ser passado de mãe para filho ou entre crianças, a doença não tem ter cura. Desde 1981, foi criada uma vacina que se tornou eficiente ao vírus da doença e a partir de 1992 a Organização Mundial de Saúde começou a ser recomendada aos recém-nascidos, onde a primeira dose deve ser aplicada 24 horas após o nascimento.

Mesmo com a recomendação países como o Reino Unido e a Noruega foram os últimos a oferecer a possibilidade de imunização aos recém-nascidos, fato que teve início apenas em 2017.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.